“Existe uma ‘agenda moral’?”


“E a relação analítica é direta: têm mais LGBT hoje por causa do PT. Então, o ‘kit-gay’ passou a ser um significante que fixou um sentido. A materialidade que eu dizia não existir pouco importava (…) A visibilização de corpos trans nas telenovelas, nos programas de televisão, o direito à união civil de pessoas do mesmo sexo, a fuga dos armários de gays e lésbicas, o direito ao nome social para pessoas trans. No campo artístico, exposições, montagens teatrais, músicas, performances(…) Quando a senhora me dizia [durante a campanha eleitoral]: “O kit-gay existiu, sim”, certamente ela teve uma experiência próxima (um filho que assumiu a homossexualidade? Uma filha trans?) que a autorizava a dizer que a minha verdade era nada diante do que a realidade lhe apresentava.

(Berenice Bento, “Existe uma ‘agenda moral’? Gênero, sexualidade e relações de poder, in: Gênero, sexualidades e conservadorismos).

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *